Liderança humanizada

No terceiro dia do RH Summit 2021 aconteceu a palestra “Liderança humanizada”, com o Luiz Felipe Massad, Diretor de Gestão de Pessoas do Magalu. A palestra girou em torno do case do Magazine Luiza sobre a sua trajetória durante a pandemia de Covid-19, oferecendo insights importantes sobre liderança, cultura organizacional e diversidade.

No terceiro dia do RH Summit 2021 aconteceu a palestra “Liderança humanizada”, com o Luiz Felipe Massad, Diretor de Gestão de Pessoas do Magalu. A palestra girou em torno do case do Magazine Luiza sobre a sua trajetória durante a pandemia de Covid-19, oferecendo insights importantes sobre liderança, cultura organizacional e diversidade.

image9-1

Durante a palestra, pode-se perceber o quão complicado pode ser instaurar um home office repentino, decorrente da pandemia, em uma empresa que não possui uma cultura que pratica home office, e que essa mudança pode ser um desafio, impactando os valores da organização.

Alguns pontos são destacados como importantes para esse, e também outros momentos de crise, como a humildade em aprender, essencialmente entre a liderança, a curiosidade para se reinventar e estar aberto para o novo.

Algumas ações, estabelecidas após a pandemia, e em prol do colaborador foram compartilhadas como sendo possíveis, como a disponibilização de um mobile para a continuidade das vendas, a equidade dos preços digitais com as lojas físicas e a política de não desligar nenhum colaborador durante o momento de crise e fechamentos de lojas físicas.

Essas e outras ações são exemplos globais de como tomar decisões pensando no bem do colaborador, além do investimento em benefícios, como pacotes de saúde com telemedicina e psicologia, por exemplo. Além de orientação em relação aos filhos e família no geral. Todo esse conjunto faz parte de ações que o RH assume, por exemplo.

“A gente precisa ter mais união, a mentalidade da escassez precisa cair por terra. Ninguém precisa ser uma ilha neste momento.” – Luiz Felipe Massad

A palestra ainda caminha para o ponto de que o olhar individualista provavelmente não terá mais lugar em um mundo após a pandemia de Covid-19, sendo necessário olhar para o coletivo. Seguindo essa linha de pensamento, o painel ainda mostra que, se os colaboradores estão saudáveis e felizes, isso vai influenciar no engajamento. Ou seja, uma gestão humanizada trazendo lucros.

Outro ponto observado no painel foi a mobilidade que algumas empresas estão tendo em começar um regime híbrido, percebendo que, provavelmente, nenhum extremismo será adotado no futuro: nem um modelo totalmente home office, ou um completamente presencial.

Ainda foi pontuado que o home office traz limitações em relação à construção de vínculos, que é necessário ter contato, ver os rituais e símbolos da organização. Ou seja, a identificação precisa dos momentos físicos, que fortalecem o grupo e a cultura.

Ao final do encontro, ainda foram refletidos os aprendizados deixados pela pandemia de Covid-19 à nível organizacional, como a possibilidade de inovar e ter uma cultura colaborativa para superar obstáculos, e a importância de ter clareza e transparência de informação sobre os movimentos da empresa para todos os colaboradores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *