Insights para alavancar os resultados do seu processo seletivo

As otimizações dos processos seletivos nas empresas acabam gerando economia de tempo e custos, aumentando a produtividade do setor de RH nas empresas. É exatamente isso que Thomas Costa, senior account executive do InfoJobs, trouxe para o RH Summit na parte da tarde do primeiro dia do evento.

As otimizações dos processos seletivos nas empresas acabam gerando economia de tempo e custos, aumentando a produtividade do setor de RH nas empresas. É exatamente isso que Thomas Costa, senior account executive do InfoJobs, trouxe para o RH Summit na parte da tarde do primeiro dia do evento.

image8

A palestra intitulada Insights para alavancar os resultados do seu processo seletivo também contou com a curadoria de Jéssica Martins, líder do evento que está presente em diversas palestras, entrevistas e painéis do RH Summit.

O foco da explanação foi sobre o uso da tecnologia como base dos processos de RH. Esse contexto vem junto com a transformação digital acelerada que a pandemia trouxe ao mundo, fazendo com que possamos identificar a tecnologia como fundamento base da gestão de pessoas.

“O RH, como uma parte estratégica do negócio, precisa fazer com que o uso da tecnologia impacte mais o resultado da empresa. Hoje, para trazer lucros, é preciso velocidade, efetividade e melhores processos” – Thomas Costa

O primeiro tópico abordado foi sobre a visão equivocada que algumas pessoas têm sobre a desumanização da tecnologia no RH. Thomas alegou que, infelizmente, até alguns candidatos acreditam nessa premissa.

No entanto, o processo (que acaba não sendo humanizado algumas vezes) não está ligado ao uso da tecnologia, mas sim à forma como ela é utilizada.

Nesse sentido, o palestrante citou o exemplo de empresas que optam por fazer processos seletivos de forma manual e acabam deixando os candidatos em longas filas de espera, não conseguindo fazer uma análise detalhada de cada currículo.

Thomas ressaltou que, com o uso adequado da tecnologia, é possível tornar o processo ainda mais humanizado, fazendo com que as pessoas não precisem esperar para serem ouvidas e trazendo candidatos com perfis mais adequados para etapas mais longas do processo de seleção.

Assim, Jéssica comentou que o envio de currículos de maneira automatizada pode ajudar tanto o candidato quanto a empresa. Currículos enviados por e-mail, por exemplo, podem se perder ao longo do caminho e não são lidos em sua totalidade.

Além disso, o envio automatizado também permite que todos recebam feedbacks. Isso torna o processo mais humanizado, já que o candidato não fica sem uma resposta sobre a vaga. Dessa forma, a empresa também sai ganhando, uma vez que trabalha sua marca empregadora com os feedbacks, por exemplo.

Thomas expôs que é impossível que o RH tenha disponibilidade para analisar todos os currículos. No entanto, com o filtro da plataforma, os recrutadores acabam tendo mais tempo e fazendo uma análise mais detalhada dos perfis que mais se encaixam nos objetivos e necessidades da empresa.

Voltando um pouco sobre a questão da humanização dos processos de seleção, foi citado que a desumanização acontece quando a tecnologia é mal utilizada. O palestrante citou que podemos fazer uma analogia com um carro: quando ele é alimentado com o combustível correto, anda bem. Assim também funciona a tecnologia no processo de seleção.

Thomas foi perguntado sobre insights em relação à melhora dos processos seletivos com a ajuda da tecnologia, citando alguns pontos importantes que devem ser focados pelas empresas:

  • Pensar na jornada do candidato;
  • Fazer com que ele sinta o calor da empresa na seleção;
  • Tornar o processo mais atraente;
  • Coletar feedbacks constantemente;
  • Encorajar o candidato a continuar;
  • Ser transparente sobre as etapas do processo;
  • Entregar feedbacks para todos.

Uma dica interessante é ter um material pronto para dar boas-vindas ao candidato. Tal material pode ser um e-mail ou até um vídeo que transmita uma mensagem de boas-vindas ao processo de seleção. Isso também faz com que o recrutamento seja mais humanizado.

Em relação à produtividade trazida pela tecnologia dentro da gestão de pessoas, o palestrante mencionou que “Cada cadeira vazia é um prejuízo para a empresa”. Dessa forma, ter soluções que agilizem os processos de seleção fazem com que a empresa ganhe em produtividade.

Uma dessas soluções é o recrutamento preditivo, isto é, aquele que trabalha a vaga previamente. Um bom exemplo de recrutamento preditivo é o banco de currículos, que pode ser alimentado ao longo do tempo, de modo que quando surja uma vaga, seja possível preenchê-la de maneira mais rápida e eficiente.

Ter uma visão ampla sobre o processo, trabalhar com indicadores, colher dados que mostram os gargalos na seleção de candidatos e saber em quais etapas os candidatos são atraídos também são insights trazidos pelo palestrante.

“Ao ter uma ferramenta em que você pode ver todos os indicadores dos seus processos (e a tecnologia traz isso), você consegue ter uma conta que faça sentido para o executivo”

Ao final, Jéssica trouxe uma mensagem muito importante para as empresas: “Parem de pedir currículos para as pessoas”.

Essa mensagem pode até parecer forte em um primeiro momento, mas Jéssica trouxe soluções muito mais práticas e eficientes como sugestão:

  • Pedir o LinkedIn dos candidatos;
  • Fazer um formulário via Google Forms;
  • Contratar uma tecnologia especializada para isso.

Por fim, Thomas complementou a mensagem de Jéssica ao mencionar que é importante ter uma fonte para encontrar as pessoas.

Essa fonte não deve ser um papel ou e-mail, mas sim uma base sólida com informações que você consiga utilizar para seguir caminhos mais rápidos e corretos no processo de seleção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *