Inclusão digital para todas e todos

Uma das últimas palestras do primeiro dia do RH Summit foi a Inclusão digital para todas e todos, que contou com a participação do Jaques Haber, chief impact officer da iigual. 

Uma das últimas palestras do primeiro dia do RH Summit foi a Inclusão digital para todas e todos, que contou com a participação do Jaques Haber, chief impact officer da iigual. 

image1-2

No painel, Haber contou sobre a importância da inclusão digital no ambiente corporativo e como uma empresa inclusiva leva vantagens em investir na diversidade. O convidado ainda apresentou o EqualWeb, uma solução que faz a transformação de simples páginas em portais inclusivos (tecnologia com Inteligência Artificial desenvolvida em Israel).

O palestrante comentou que a inclusão digital, ou acessibilidade digital, é um termo novo e muito importante, principalmente pelo momento de transformação digital acelerada que estamos experienciando. Ele ainda citou a importância de pensar em inclusão digital, com recursos para que todas as pessoas consigam ter acesso aos conteúdos digitais. 

Hoje em dia, temos uma alta dependência da tecnologia. No entanto, nós não devemos servi-la, mas sim ao contrário: a tecnologia deve nos servir.

Alguns recursos podem ser facilitadores para pessoas com deficiência (PCD). Leitores de texto e comandos de voz, por exemplo, proporcionam independência e autonomia a essas pessoas. 

Haber comentou que o tema está chegando aos grandes líderes, que já falam sobre diversidade e inclusão nas empresas, mas que, em relação às PCD, ainda continuam invisibilizados e com poucas estratégias sendo produzidas. 

 

“Tecnologia com propósito: aquela que inclui” – Jaques Haber

 

Foi falado ainda em como sair do discurso. Haber aponta que não adianta, por exemplo, o setor de RH alegar que aceita todas as pessoas, mas o site da corporação ainda não ser acessível, já que isso configura poucas oportunidades (e até desvantagens) de um candidato que pode ser capacitado, mas que não consegue ter acesso à oferta da vaga. 

 

“É importante começar a pensar em conceitos que unem tecnologia e inclusão” – Jaques Haber

 

Jaques aponta que o assunto tem sido bem-recebido pelas empresas, mas que ainda é muito novo, discorrendo sobre a inexistência de um head responsável por acessibilidade digital que garanta que todos os canais da corporação sejam acessíveis para todas as pessoas. 

Além disso, ele relatou que a acessibilidade digital também é positiva para a empresa tanto do ponto de vista do RH – já que possui um funil maior de atração de talentos – como do ponto de vista dos negócios – já que, se uma loja virtual não é acessível, ela está fechada para um grande número de pessoas. 

Ainda foi apontado que há públicos de PCD com mais dificuldades em relação à inclusão digital do que outros, sendo, em sua grande maioria, as pessoas que não enxergam ou possuem baixa visão. Assim, assume-se a existência de subgraus de dificuldade. 

 

“A tecnologia é uma grande aliada da inclusão” – Jaques Haber

 

O palestrante disse que todos possuem o direito de acesso à informação, e que não há sustentabilidade e inclusão se não for para todos. Em B2B, ele criou uma metáfora ao apontar a diferença entre diversidade, inclusão e pertencimento. 

Jaques disse que a diversidade é convidar para a festa; a inclusão, por sua vez, é chamar alguém para dançar e que, por fim, pertencimento é a pessoa conseguir escolher a música que ela deseja dançar, podendo ser ela mesma. 

Ao final, foi falado sobre a figura do aliado como sendo superimportante, já que nada se faz sozinho, e que inclusão é um processo bidimensional, em que o aliado empresta a sua voz para que mais pessoas também possam participar. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *