Como desenhar um processo seletivo estratégico, personalizado e eficiente

Karol Seixas, business partner da Sólides, trouxe o tema Como desenhar um processo seletivo estratégico, personalizado e eficiente para o quarto dia do RH Summit. A curadoria ficou a cargo de Jéssica Martins.

Karol Seixas, business partner da Sólides, trouxe o tema Como desenhar um processo seletivo estratégico, personalizado e eficiente para o quarto dia do RH Summit. A curadoria ficou a cargo de Jéssica Martins.

image5-Jun-25-2021-06-18-05-15-PM

O tema central do evento (quebrar tendências e focar nas raízes do RH) foi trazido para a conversa. A gestão de pessoas tem que estar preocupada com inovação, transformação e questões complexas do setor; mas, para fazer isso, é necessário não esquecer as bases.

Essas bases estão principalmente ligadas a ter um time preparado e um RH entendido, que tenha o conhecimento necessário para usar as tendências como ponto de referência e, ao mesmo tempo, um embasamento muito forte sobre as questões mais importantes.

Um exemplo disso é a necessidade de ter um processo seletivo que realmente coloque as pessoas certas nos lugares certos. É preciso ser estratégico ao preencher uma posição na empresa, afinal, as empresas são os colaboradores.

Além disso, é importante saber como gerir os processos de seleção e recrutamento da melhor maneira possível. Ter um entendimento claro sobre os testes, o fit cultural e o propósito da empresa e do colaborador faz toda a diferença para deixar as pessoas felizes e reduzir o turnover.

Em relação ao processo seletivo ser mais estratégico, foi abordado que é preciso focar no negócio da empresa. Para isso, é possível desenhar a organização como se ela fosse uma pessoa.

Criar uma persona da empresa com qualidade faz com que os valores, propósitos e objetivos da organização e dos colaboradores estejam alinhados. Quando existe esse alinhamento, as pessoas trabalham de maneira muito mais engajada.

Isso muda a forma como o relacionamento com o líder acontece, o recebimento de tarefas e até mesmo como os profissionais acordam no dia a dia para trabalhar.

É essencial fazer os processos de recrutamento e seleção de forma transparente. Quando isso é feito, existe uma chance muito maior de receber o mesmo dos profissionais, que acabam sendo ainda mais transparentes durante o processo.

Além disso, é importante personalizar a experiência do candidato. Isso pode ocorrer por meio da tecnologia, que também ajuda a fazer o processo com um maior nível de escalabilidade.

As pessoas são diferentes, têm comportamentos diferentes, são impactadas de maneiras diferentes e têm visões de mundo diferentes. Por isso, não devem ser tratadas apenas como um número, e sim de maneira personalizada.

Alguns insights para tornar o processo de seleção e recrutamento mais personalizado e único são as entrevistas coletivas, perguntas que demonstram os valores das empresas e a realização de perfis comportamentais.

Além disso, independentemente da forma como os processos ocorrem, é importante saber que eles não podem ser lentos. As pessoas estão cada dia mais sem paciência para processos longos e sem objetivo.

Seleções que demoram dias ou semanas acabam sendo chatas e fazem com que muitos talentos acabem desistindo de participar dos processos. Isso acontece especialmente na área de tecnologia, em que há uma grande demanda por profissionais qualificados.

Dessa forma, é interessante tornar o processo mais assertivo por meio da personalização que a tecnologia proporciona e até por meio de feedbacks dos colaboradores que já passaram pelo recrutamento e seleção da empresa.

Pode-se perguntar para esses profissionais o que eles acharam do processo, se mudariam alguma coisa, acrescentariam ou mudariam algo de lugar, entre outros insights de quem viveu na prática o processo seletivo.

Quando a seleção passa a informação de que a empresa é lenta, é com essa impressão que o candidato fica. Porém, quando o processo é ágil e transparente, ele também fica com essa ideia.

É preciso criar uma narrativa de como a organização funciona. Além disso, é muito importante desenvolver o processo de acordo com o perfil da área. Em áreas comerciais, por exemplo, o processo pode ser mais dinâmico e ágil se for isso que a empresa preza.

Muitas vezes, os candidatos estão participando de diversos processos seletivos ao mesmo tempo. Dessa forma, para não perder os melhores profissionais ao longo do recrutamento e seleção, é importante focar no alinhamento de objetivos, cultura e valores em um tempo otimizado, além de levar transparência do início ao fim.

Para que o RH tenha bons resultados, é preciso focar o processo de seleção nos candidatos que realmente querem trabalhar na empresa, estejam alinhados com os objetivos e felizes em trabalhar na organização.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *